ONU visita projeto paranaense de produção de energia e biofertilizante

Representantes da Organização das Nações Unidas visitaram quinta-feira (25) o projeto da comunidade rural Linha Ajuricaba, em Marechal Cândido Rondon, Oeste do Paraná, que usa dejetos de criações para produção de energia e biofertilizantes. O projeto teve apoio da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, Itaipu, Prefeitura, Copel e Emater.

O projeto da comunidade envolve 32 famílias que estão organizadas numa cooperativa. O diretor-técnico da ONU para o Desenvolvimento Industrial, Dmitri Piskounov, e seus colegas foram acompanhados do secretário interino da Agricultura, Otamir César Martins, do presidente da Emater, Rubens Niederheitmann, do coordenador de energias renováveis da Itaipu, Cícero Blay Júnior, e do prefeito Moacir Froehlich.

A Emater trabalhou na organização dos produtores, ajudando a formar a cooperativa e também prestando orientação técnica nas propriedades. Em cada unidade produtiva foram construídos biodigestores. Eles recebem o esterco produzido pelas criações e transformam esse produto em biofertilizante e biogás.

RENDA – Parte do gás é usada na propriedade e o restante segue, por gasoduto, até uma pequena usina de geração de energia elétrica, ligada à rede da Copel. A companhia vai comprar este serviço, assegurando renda extra para cada participante do projeto. O fertilizante que sai dos biodigestores está ajudando a melhorar a produtividade das lavouras e das pastagens.

O presidente da Emater destacou que o projeto resolve um grande problema ambiental e cria condições para o agricultor melhorar a renda de sua família. “O produtor aproveita o biogás em sua propriedade e pode vender o excedente. É um projeto bem estruturado, tanto do ponto de vista de gestão quanto de sustentabilidade, e merece ser estudado e divulgado para implantação em outras comunidades”, declarou Niederheitmann. O secretário interino da Agricultura enfatizou que a experiência deve ser levada a todo o Estado.

Os representantes da ONU estão em Foz do Iguaçu para a apresentação do Centro Internacional de Energias Renováveis – com ênfase em biogás – no Parque Tecnológico da Itaipu.

via

Advertisements

Brasil defenderá na Rio+20 economia verde sem miséria

08/08/11
por Marli Moreira
via Agência Brasil

A execução de políticas públicas que sejam capazes de proteger o meio ambiente e ao mesmo tempo estimular atividades de inclusão da população pobre na formação do Produto Interno Bruto (PIB) será uma das principais propostas a serem encaminhadas pelo Brasil, em novembro, à Organização das Nações Unidas (ONU) para as discussões da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

A proposta foi defendida dia 9 de agosto por representantes do governo federal, na Conferência Ethos, Empresas e Responsabilidade Social 2011, realizado pelo Instituto Ethos, na sede da Federação do Comércio do Estado de São Paulo.

Durante o encontro, a ministra Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que o Brasil tem mais condições do que qualquer outro lugar do planeta de mostrar ao mundo capacidade para manter a trajetória de crescimento econômico sem comprometer a biodiversidade. Ela cobrou ousadia do país nos debates da conferência, destacando que “o Brasil tem como liderar em projetos de crescimento sustentado e no desafio da erradicação da miséria”.

Para a ministra, é necessário, no entanto, criar uma lei que “dê segurança jurídica para uma visão de políticas públicas e para o investimento por parte do setor privado e para o financiamento de todos aqueles que querem plantar, reflorestar e manejar”. Ela acredita que o país pode se desenvolver sem desmatamento ilegal. “Nossa proposta é trabalhar junto com o setor privado”.

Também presente ao encontro, a ministra Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, observou que apesar de o governo ter tido êxito na política de redução da pobreza, com a retirada de 28 milhões de pessoas da situação de extrema pobreza, ainda existem 16,2 milhões de pessoas vivendo na miséria, com renda per capita abaixo de R$ 70.

Ela enfatizou que esse universo de pessoas não foi favorecido com as chances oferecidas no “apagão da mão de obra” por falta de qualificação. E que por isto mesmo, o governo tem trabalhado para reverter este quadro concentrado em três eixos: transferência de renda; inclusão produtiva e ampliação do acesso aos serviços públicos. “Nós temos que ir atrás dessa população”, disse.

Segundo a ministra, o governo está trabalhando em medidas para que a agricultura familiar ganhe espaço no suprimento de produtos para o mercado doméstico como um meio de geração de renda. No meio rural, 25% da população estão em situação de extrema pobreza.

Brasil integra Painel de Sustentabilidade Global da ONU

via Portal do Agronegócio
por André Demétrio

Na última segunda-feira (21/02), o Brasil foi incluído no Painel de Alto Nível sobre Sustentabilidade Global da ONU. Criado para discutir oportunidades e desafios do desenvolvimento sustentável e formular um novo projeto para o Planeta, utilizando políticas “verdes”.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, aceitou o convite feito pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Barbados também passa a integrar o painel com o primeiro-ministro Freundel Stuart.

Uma reunião do Painel de Sustentabilidade está marcada para os próximos dias 24 e 25, na África do Sul. Logo depois, Izabella segue para Índia onde participará do quinto encontro do BASIC, grupo de países formado por Brasil, África do Sul, Índia e China, que ocorre entre 25 e 28 de fevereiro.



fonte