Cícero Bley Jr aborda potencial inexplorado do biogás no Brasil

Em entrevista cedida para a revista Biomassa & Bioenergia, o Superintendente de Energias Renováveis de Itaipu Binacional, Cícero Bley Jr, comenta os ganhos energéticos, econômicos e ambientais de uma fonte de energia sustentável.

Biomassa & Bioenergia – Muito se fala sobre as inúmeras possibilidades de aplicações do biogás para geração de energia . Na opinião do senhor, quais as potencialidades do uso do biogás no Brasil?
Cícero Bley Jr. – O biogás está contido nos resíduos sólidos e efluentes líquidos encontrados no meio urbano (lixos e esgotos) no meio industrial (resíduos e efluentes) e no meio agropecuário (resíduos e dejetos animais). Portanto trata-se de um produto com características energéticas renováveis, que vem sendo sistematicamente desperdiçado e que, ao ser incorporado na matriz energética de atividades agropecuárias e agroindustriais, coletas e tratamento de lixos urbanos e esgotos, por exemplo, pode significar grande economia de energias que hoje estão sendo fornecidas por este setor. Isto representa milhões de reais em custos evitáveis.

B&B – Em sua opinião, por que é importante para o Brasil investir na geração de energia advinda do biogás?
Bley Jr. – Para criar uma nova economia rural, baseada na eficiência energética e em energias renováveis, que podem significar a sustentabilidade econômica porque gera novas rendas e a sustentabilidade ambiental, porque o biogás só é produzido em sistemas de saneamento (tratamento) dos materiais orgânicos.

B&B – O biogás pode ser usado para a geração de energia elétrica, térmica e veicular.
Pelas características de nosso País, em qual dessas áreas ele pode ser melhor utilizado?
Bley Jr. – Nas três. Porque há biomassa de resíduos para produzir biogás suficiente para sustentá-las e porque as três são importantes. A geração de energia elétrica oficializa as pequenas centrais como geradoras em um sistema descentralizado novo no Brasil, mas que é a chave das renováveis na Europa (geração distribuída). A geração de energia térmica, porque pode substituir o uso da lenha no agronegócio, que vive, há tempos, um “apagão” florestal. Não há lenha para secar nossas safras de grãos. E a geração de energia para veículos, caminhões, tratores e carros, dá uma esperança aos produtores rurais de verem seus veículos movidos a diesel rodando com o biogás gerados por eles mesmos. No meio urbano, imagina-se o biogás sendo produzido em aterros e depois de filtrados, movendo os caminhões de coleta de lixo, que todos os dias passam de porta a porta coletando em uma jornada sem fim, pois há lixo todos os dias para coletar.

B&B – Acredita que o biogás possa vir a substituir outros combustíveis em totalidade no futuro? Qual o percentual de utilização atualmente?
Bley Jr. – Atualmente é zero. O biogás é totalmente desperdiçado. E no futuro com certeza as energias ditas convencionais, manterão suas performances. O biogás as substituirá em partes, mas onde substituir haverá ganhos não só energéticos, mas também econômicos e ambientais. O biogás será sempre um dos combustíveis de uma matriz energética. O problema é que hoje ele está sendo jogado fora.

B&B – O que é preciso ser feito para ampliar a utilização desse tipo de geração de energia no País?
Bley Jr. – É preciso que as pesquisas feitas pelas diversas academias brasileiras soltem as soluções e aplicações tecnicamente sustentáveis com o biogás. É preciso que nossas lideranças consigam enxergar o biogás como um produto combustível de alto valor estratégico. É preciso capacitar nossos técnicos para identificar as biomassas possíveis, saber como convertê-las em biogás, como gerar energia com o biogás e o que fazer com essa energia. Não há possibilidades de mudanças a não ser pelo ensino e capacitação.

B&B – Os equipamentos disponíveis no mercado nacional são eficientes para o aproveitamento do biogás gerado pela criação animal? A tecnologia brasileira consegue atender as necessidades desse mercado?
Bley Jr. – O Brasil já produz o necessário em termos de equipamentos e processos para explorar as possibilidades do biogás.

B&B – Há no Brasil, algum tipo de incentivo (fiscal, tributário, financiamentos) para a adoção do uso de biogás para a geração de energia?
Bley Jr. – Há linhas de financiamento compatíveis para investimentos. Não há necessidade de subsídios, ao contrário. Devemos evitá-los porque distorcem a sustentabilidade econômica de qualquer atividade.

B&B – Qual a média de compra de energia do biogás produzida pelos produtores rurais pelas grandes empresas?
Bley Jr. – A ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica estipula em suas normatizações, que o preço pago a energia elétrica gerada com biogás seja o VR – Valor de Referência, em torno de R$ 145 por megawatt e que é o valor tirado da média aritmética obtida dos valores de todas as energias geradas no Pais. Hidráulica, carvão, gás, etc.

B&B – A Itaipu possui algumas unidades de demonstração de geração distribuída de energia elétrica com biogás. O senhor poderia falar um pouco sobre essa experiência?
Bley Jr. – A Itaipu implantou com recursos de Pesquisa e Desenvolvimento em sete unidades de demonstração em diferentes escalas de produção, para servir de base para estudos e demonstração. A isso demos o nome de Plataforma Itaipu de Energias Renováveis.
Temos unidades coletivas, como no Condomínio Ajuricaba de agricultura familiar até um frigorífico de abate de 300 mil aves por dia, da Cooperativa Lar de Medianeira. Todos gerando energia e vendendo os excedentes para a concessionária. Agora estamos instalando mais duas unidades para demonstrar o uso térmico, substituindo a lenha utilizada em dois dos maiores armazéns de beneficiamento e armazenagem de grãos da região. Também começamos a implantar o projeto em Entre Rios do Oeste para a sustentabilidade do saneamento básico através da energia do biogás.

B&B – Baseado na experiência da Itaipu que perspectivas o senhor vê para esse tipo de negócio (geração de energia através do biogás) no Brasil?
Bley Jr. – Não tardará nem um ano e o biogás estar é sendo reconhecido no Brasil, como um produto combustível de alto valor estratégico, produzido e usado por micro geradores, descentralizados e tão importante como o etanol.

via Biomassa e Bioenergia