A nova realidade do tratamento de resíduos

por Thiago Freitas – Especialista em Tecnologia

Dificilmente imaginaríamos o mundo como ele é hoje sem a evolução da tecnologia. Ela transformou muito a maneira que vivemos e trouxe a simplificação de muitos processos, desde a maneira como nos comunicamos até a maneira como nos socializamos. Contudo ainda existem aspectos do mundo que não são tratados com o olhar tecnológico necessário. Um dos aspectos menos observados é o cuidado com o lixo que produzimos. Essa aparente falta de preocupação pode cobrar um preço alto no futuro, dado ao não reaproveitamento dos recursos e da crescente escassez que permeará a sociedade no futuro.

A resposta para melhoria da qualidade do descarte visando o seu reaproveitamento está na tecnologia. Os resíduos orgânicos contém grande potencial energético, podendo através de pequenas estações instaladas em bairros virar adubo orgânico e também biogás o qual a partir do metano pode gerar energia elétrica, abastecer veículos e gerar calor. Para viabilizar tecnologicamente este tipo de operação é necessário primeiramente a conscientização da população quanto a necessidade do descarte de forma adequada, como também bonificar quem tem essa consciência pois está contribuindo para a sustentabilidade.

Existem várias maneiras de gerar mecanismos para geração desse controle de benefícios e em breve haverão sistemas dedicados a esse fim. A reciclagem é um preço muito pequeno para um beneficio grande e duradouro. Ela garantirá a gerações futuras a sobrevivência do planeta bem como a inclusão da responsabilidade de cada ser humano pelos resíduos que gera. A natureza está cobrando um preço maior pela nossa estada na terra. Temos que acordar para esta nova realidade e fazermos a diferença enquanto cidadãos.

Advertisements

Sustentar 2011 – IV Forum sobre Energias Renováveis e Consumo Responsável

O evento acontece de 29 a 31 de agosto no Centro de Eventos de Chapecó.
A AgE Tecnologias terá stand próprio, visite-nos e participe!

Confira a programação do evento:

Solução AgE para os Resíduos Sólidos Municipais

LIXO BOM AgE: A solução está no que jogamos fora

A proposta de gestão de resíduos sólidos municipais da AgE visa o manejo e tratamento do lixo, de forma a otimizar e intensificar a coleta seletiva e reciclagem. O modelo da AgE promove o reaproveitamento econômico e energético dos resíduos orgânicos domésticos, eliminando a necessidade de aterros sanitários.
Conheça abaixo os três módulos do programa LIXO BOM, um conceito desenvolvido pela AgE que envolve colaboração e conscientização da população, um centro de triagem para cooperativas de reciclagem e geração de biogás.

MÓDULO 1
Lixo Bom AgE – Programa de Reciclagem por Recompensa

Esta estapa é destinada a implantar e institucionalizar o sistema de coleta seletiva nos municípios. A participação da população pode ser de duas maneiras: ativa, através da entrega dos resíduos em Ecopontos, ou reativa, pelo acondicionamento dos resíduos em lixeiras padrão nas próprias residências.
A contribuição reativa utiliza a mais moderna tecnologia de leitura de dados por radio frequência (RFID – Radio Frequency Identification), a lixeira de cada usuário é pesada e identificada em sua residência e revertido em crédito no cartão de benefícios. Na forma ativa, qualquer pessoa pode levar seus resíduos até o pátio de reciclagem para ganhar créditos no cartão de recompensa.
A recompensa ao cidadão é realizada pela remuneração de forma direta, dos benefícios econômicos definidos pelo município com a separação e comercialização dos resíduos. O programa Lixo Bom AgE é também uma estratégia para promover e destacar o município por sua preocupação e consciência na busca da sustentabilidade ambiental.

MÓDULO 2
Pátio de recepção e classificação dos resíduos

Consiste em implementar pátio de manejo para recebimento, encaminhamento ou acumulação dos resíduos sólidos municipais com auxílio de cooperativa de catadores, sejam eles resíduos domésticos, comerciais ou públicos. Os resíduos de construção civil, tecnológicos, móveis, entre outros que não possuem um destino fixo serão recebidos no pátio e encaminhados a terceiros especializados, gerando emprego e renda ao município.
Faz parte desta etapa a implantação e gestão da logística de transformação dos resíduos de triagem em combustíveis derivados de resíduos (CDR). Por questões sanitárias, certos resíduos não podem ser reaproveitados na reciclagem ou para geração de bioenergia, cabe aqui o uso de incinerador para queima de resíduos que não possuem destinação adequada.

MÓDULO 3
AgE Biogás – Digestão anaeróbia dos resíduos orgânicos

Instalação e operação de biousina para tratamento anaeróbio de resíduos orgânicos, com o objetivo de eliminar aterros sanitários municipais. Os resíduos orgânicos são destinados a reatores biológicos que, através do processo de digestão anaeróbia, transforma-se em biogás, uma fonte renovável e limpa de energia.

Neste módulo, o ciclo da proposta LIXO BOM AgE é finalizado. Através do aproveitamento energético do biogás para produção de calor e eletricidade, dos biofertilizantes sólidos e líquidos de valor agronômico, subprodutos do processo e a geração de créditos de carbono.

A equipe da AgE está preparada para atuar em todos os módulos do projeto: Diagnóstico preliminar dos RSM; Elaboração de projeto básico de concepção do sistema; Plano de negócio com receitas, despesas e alternativas de linha de crédito; Estudo de viabilidade técnica, jurídica e econômico-fincanceira; Elaboração do projeto executivo; Serviços de engenharia e assessoria; Implantação e gerenciamento do sistema.

II Sigera em Foz do Iguaçu

O II Sigera está promovendo uma ótima integração entre profissionais, acadêmicos, pesquisadores interessados no gerenciamento dos resíduos agropecuários e agroindustriais.

A participação é efetiva em todas as palestras e apresentações de trabalhos havendo também uma interação muito positiva com os expositores do evento (Embrapa Suínos e Aves, Itaipu Binacional, Biolatina, GCTBio).

Participantes nacionais e internacionais visitaram o stand da AgE em busca de informações e novas tecnologias para o tratamento de efluentes e resíduos sólidos orgânicos.

Destaque especial para a palestra “A Produção de energia a partir de resíduos animais” do Prof. Dr. Thomas Amon, da Universidade de BOKU – Áustria, que, acidentado não pôde comparecer ao evento e foi brilhantemente apresentada pelo presidente da Embrapa Suínos e Aves, Airton Kunz.

This slideshow requires JavaScript.

AgE confirma stand para o II SIGERA em Foz do Iguaçu – PR

AgE confirma sua presença como expositora no II Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos Agropecuários e Agroindustriais – II Sigera.

O evento acontecerá no Centro de Convenções do Hotel Internacional Foz, em Foz do Iguaçu / PR entre os dias 15 e 17 de março de 2011. O II Sigera abordará a importância econômica e social da atividade agropecuária para o Brasil e sua relação com a temática ambiental.

Objetivos do evento:

  • Discutir os temas ambientais de maior relevância para sustentabilidade das produções agropecuária e agroindustrial;
  • Proporcionar e incentivar a apresentação de pesquisas e discussões científicas; Fomentar o estabelecimento de parcerias entre os participantes;
  • Internalizar a temática do gerenciamento dos resíduos nas cadeias produtivas;
  • Sensibilizar a sociedade para a importância do tema.

Os eixos temáticos que serão abordados no evento estão intimamente ligados com a visão de negócio e área de atuação da AgE, como:

Agricultura: Uso sustentável de resíduos orgânicos em solos agrícolas; Resíduos de pesticidas no ambiente; Impacto nos recursos hídricos superficiais e subterrâneos.

Pecuária: Sistemas de tratamento de resíduos; Uso dos resíduos da produção animal como fertilizante; Geração de energia; Emissão de gases nas atividades pecuárias.

Agroindústria: Gerenciamento de resíduos da agroindústria; Sistemas de tratamento e disposição de resíduos; Geração de energia; Valorização dos resíduos da agroindústria.

Maiores  informações acesse o site: http://www.sbera.org.br/sigera2011/